Universidad UFPB
Departamento DAU
Professor Pablo DeSoto
Prof colaboradores Leticia Palazzi, Andrea Porto, Paulo Rossi
Créditos/carga horária 3Cr/45h
Semestre 2019.2
Datas 21 a 26 Outubro
Horario 16 a 22 h
Local Espaço cultural
Ementa PDF

INTRODUÇÃO

É sabido como os mapas e a arte da cartografia, mais que representar uma realidade dada, são umas das ferramentas e teknés fundamentais para, de fato, “produzir a realidade”. Não existe neutralidade nos mapas, cada um de eles tem uma agenda e objetivos específicos.

A relação dos arquitetos e os urbanistas com os mapas é, ao menos, dupla. Por uma parte, os mapas oferecem informação contextual e múltipla para a preparação de um projeto num sitio particular. Por outra parte, arquitetos e urbanistas são ocasionalmente produtores eles mesmos de mapas que iram contribuir, em maior o menor medida, na produção do espaço que ira ser vivido. Ou disputado.

Se historicamente a capacidade de fazer mapas tem sido exclusiva de aqueles que tradicionalmente detêm o poder -militares, governos, corporações-, mais recentemente a arte da cartografia tem sido apropriada por atores subalternos, cientistas sociais e movimentos sociais. Temos exemplos em todo o mundo, desde os indígenas na Amazonia de Brasil ate as redes cidadãs contras as remoções de moradia em San Francisco ou camponeses na defensa dos bens comuns em Mexico. O livro de recente publicação, This is not Atlas: A global Collection of counter-cartographies, é um compendio de mapas de todo o mundo que oferece o estado da arte de cartografia como ferramenta para a ação, para construir pressão politica, como critica, como auto reflexão ou para sinalizar subjetividades espaciais.

Tomando essa tradição e fenómeno como punto de partida, o curso se propõe como uma exploração teórica e pratica do conceito da cartografia radical como uma ferramenta para compreender, pensar e atuar no cidade, e por extensão, no mundo, na fase atual de devastação ambiental e crise climática.

PROGRAMA

Estudo dirigido – 15 a 20 de Outubro. Online.

Aulas teóricas e Laboratório – 21 a 25 de Outubro. Espaço Cultural, 16 a 22h.

Campo – 26 de Outubro. Corais de Seixas e litoral de João Pessoa.

OBJETO DE ESTUDO

O objeto de estudo do curso são os bens comuns da área metropolitana da grande João Pessoa.

METODOLOGIA

O curso terá um formato vertical experimental, juntando a turma do curso da graduação com a turma do curso do PPGAU “Mapeando o Comum Urbano” e a turma do projeto de extensão “Mapeando o Comum Urbano de João Pessoa”, alem de participantes dos movimentos sócias e artisticos da cidade de João Pessoa.

O curso propõe um método, onde o bem comum urbano e observado in situ, discutido, parametrizado e apresentado em formato cartográfico, a partir da metodologia Mapping the Commons levada a cabo anteriormente em Atenas, Istanbul e varias cidades do Brasil, e ganhadora em 2013 do premio Elinor Ostrom de pesquisa em bens comuns.

PROFESSORES CONVIDADOS

O curso contará com a colaboração dos professores Dra Leticia Palazzi, Dra Andrea Porto e Dr Paulo Rossi.

LOCAL E CAMPO

O cursor acontece no Espaço Cultural, Centro Cultural Jose Lins do Rego, na Rua Abdias Gomes de Almeida 800, Tambauzinho, João Pessoa.

No dia 26, visita de campo aos Corais de Seixas a bordo do catamarã “Um dia mais feliz”.

MEIOS DE AVALIAÇÃO

Será exigida 75% da frequência.

AULAS TEÓRICAS

Contra-Cartografia. A arte de fazer mapas apropriada por atores subalternos, cientistas sociais e movimentos sociais. This is not Atlas: A global Collection of counter-cartographies, compendio de mapas de todo o mundo que oferece o estado da arte de cartografia como ferramenta para a ação, para construir pressão politica, como critica, auto reflexão ou para sinalizar subjetividades espaciais.

Bem Comum e Clima – Introdução teórica ao conceito de bem comum, commons e comum a partir de Negri & Hardt, Dardot e Laval, Harvey, Linebaugh, Matei, Federici e outros autores. Antropoceno e Comunes planetários. O clima como bem comum. Emergência climática e comum urbano.

Cidade – Apresentação da metodologia paramétrica e dos estudos de caso realizados em Atenas, Istambul, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, São Paulo, Vitória e Quito. Discussão para definir quais bens comuns urbanos que serão mapeados na grande João Pessoa.

BIBLIOGRAFIA PRINCIPAL

DeSoto, P., Delinikolas, D., Dragona, D., Senel, A. and Pérez de Lama, J.P. 2015. Mapping the Urban Commons: a Parametrical and Audiovisual Method. V!RUS, 11.

Halder, S., e Kollektiv Orangotango, orgs. This Is Not an Atlas: A Global Collection of Counter-Cartographies. First edition. Social and Cultural Geography, Volume 26. Bielefeld: transcript, 2018.

Hardt, M., Negri, A. Commonwealth. El proyecto de una revolución del común. 2010.

Harvey, D. Ciudades rebeldes. Del Derecho de la ciudad a revolución urbana. 2012.